domingo, 21 de maio de 2017

Advérbio das Dúvidas

Até hoje. Até agora. Talvez esteja dentro de um jogo de adivinhações com cartas. Talvez esteja dentro de um sábado chuvoso onde assisto “O Mágico de Oz” pela enésima vez, desejando um lugar além do arco-íris. Talvez eu faça mesmo a torta de maça. Por que talvez eu precise ver as pessoas que eu amo felizes, e nunca negue dizendo um não.
Pode ser uma impressão ou talvez seja apenas um talvez. Um desses “talvez eu faça alguma coisa para ser lida”, “Talvez eu faça alguma coisa apenas para mim”, “Talvez não faça nada”, “Talvez, talvez...”, “Talvez nem esteja mais aqui”.
Talvez eu seja o verbo, modificado pelo advérbio, feito Jesus carne que remiu o pecado do mundo. Talvez todos somos verbos modificados por advérbios, alguns de dúvida, outros de negação, outros extrapolando a ordem, o lugar e o tempo. E posso ser muito, demais, pouco, todo. De modo algum serei o antes, ali, embaixo e breve. Não sou lugar e nem tempo. Sou apenas mais um modo passageiro.
Não sou mais o verbo, habitando a síntese da criação. Talvez isso nem faça sentido se não for pendurado em uma igreja, publicado em um domingo, escrito por um cristão. Com os olhos preenchidos pela lua, o coração colocando menos força e gerando mais ação. Posso ser um advérbio de afirmação, eu sei acabar perfeitamente o que precisa de um fim.

“Você foi e se foi é passado,
Não tente julgar um verbo no tempo errado”.

O que fazer agora? Uma torta de maça, com o que sobrou de sentimento. Talvez eu mude como o tempo lá de fora. Sou um advérbio de dúvidas.

Dia 21 de Maio de 2017, Vicenzo Vitchella.

Nenhum comentário:

Postar um comentário